[resenha] O Planeta dos Macacos

26 de junho de 2015 - sexta-feira - 08:57h   ¤   Categoria(s): Ficção Científica, Literatura estrangeira, Resenhas

O Planeta dos MacacosTítulo: O Planeta dos Macacos
Título original: La planète des singes
Autor: Pierre Boulle
País: França
Edição original: 1963
Editora: Aleph
Páginas: 209
Compre: compare preços

Apenas percebia uma diferença essencial em relação aos indivíduos da nossa espécie. Seus olhos não tinham cor: eram de um cinzento bem pouco comum em nós, mas não excepcional. A anomalia estava em sua emanação: uma espécie de vazio, uma ausência de expressão, que me evocava um pobre demente que eu conhecera em outros tempos.

Avaliação:
Em um tempo futuro, um rico casal de viajantes está de férias, navegando por algum lugar do universo, quando de repente encontra uma garrafa perdida solta no espaço. Dentro dela, havia diversas folhas finas com uma caligrafia escrita na linguagem da Terra. Contava o relato de 3 homens, terráqueos, que realizaram, pela primeira vez na história do planeta, uma viagem à região do espaço onde se encontra a supergigante Betelgeuse. A estrela está a 300 anos-luz do Sistema Solar, e a viagem teve duração de 2 anos. O planeta escolhido para a exploração era muito parecido com a Terra em termos de volume, atmosfera, radiação recebida da estrela e presença de oceanos e continentes.

Esse é apenas o comecinho do livro O planeta dos macacos. O que vem a seguir vocês já conhecem: os 3 homens descobrem que há humanos nesse planeta, mas eles são, na verdade, selvagens e irracionais, enquanto as espécies inteligentes e dominantes são as de símios.

Devo confessar a vocês que a leitura deste livro fez me sentir uma bookworm mais completa. A história é um clássico! Com uma narrativa direta e objetiva, a leitura voa sem o leitor nem perceber, mas as reflexões provocadas ao longo do livro anulam todas as possíveis – porém errôneas – impressões de simplicidade. E o final… aah, o final dessa história…! Eu não assisti ao filme de 1968, mas, para quem assistiu, fiquem sabendo que o desfecho é diferente, além de haver um fato adicional, que eu acho que nem é citado no filme. Eu já tinha ouvido dizer que a conclusão do livro era desconcertante, mas ninguém me disse que era duplamente desconcertante!

Esta edição da Aleph traz também alguns extras bem legais: uma entrevista com Pierre Boulle, feita em 1972; um texto jornalístico sobre o autor, publicado pela BBC em 2014; e um posfácio que discute as questões levantadas pela obra. Gostei bastante desse material, pois contextualiza o livro em relação tanto à vida do autor quanto à posição e importância de O planeta dos macacos dentro do gênero da ficção científica.

Para quem, assim como eu, não assistiu à famosa adaptação para o cinema, recomendo que leiam o livro ao invés de ver o filme. Depois, olhem na página do Wikipedia as diferenças entre os dois enredos e verão que eu tinha razão, rs.

O livro em si também está muito bonito. O projeto gráfico, como sempre, é de encher os olhos. A capa consegue ser ao mesmo tempo bruta e elegante. O toque especial fica por conta da borda arredondada, supercharmosa, que dá ao livro um “ar” de caderno. Eu costumo torcer o nariz para livros sem orelha, pois geralmente as capas acabam envergando por conta disso, mas não foi o caso dessa edição de O planeta dos macacos. A foto abaixo foi tirada após o fim da leitura e é possível ver que, mesmo com o manuseio, a capa continuou retinha.
O Planeta dos Macacos

[resenha] O Código da Inteligência

29 de maio de 2015 - sexta-feira - 08:53h   ¤   Categoria(s): Autoajuda, Literatura nacional, Psicologia, Resenhas

O Código da InteligênciaTítulo: O Código da Inteligência
Autor: Augusto Cury
País: Brasil
Edição original: 2008
Editora: Sextante
Páginas: 255
Sinopse: Analisando a fundo o funcionamento de cada um desses códigos e os benefícios que nos trazem, Cury mostra como podemos assumir o controle de nossa vida, superando medos, inseguranças e limitações. O autor também alerta para as quatro armadilhas da mente (o conformismo, o coitadismo, o medo de reconhecer os erros e o medo de correr riscos), que aprisionam a criatividade, asfixiam a emoção e aumentam o estresse. Em uma abordagem inovadora, você vai descobrir como lapidar, expandir e irrigar sua inteligência socioemocional. Analisando o comportamento humano sob os pontos de vista psicológico, filosófico, psicopedagógico e sociológico, Cury aborda os hábitos dos bons profissionais e os compara com os hábitos dos profissionais excelentes – aqueles que decifram os códigos da inteligência. Ao explicar de forma simples e acessível o processo de construção dos pensamentos e de formação dos grandes pensadores, este livro vai oxigenar a mente de pais, professores, alunos, cônjuges e amigos, transformando a existência em uma fantástica aventura.
Compre: compare preços

Seria um absurdo um motorista tirar as mãos do volante e deixar o carro seguir a seu bel-prazer. Colisões aconteceriam, ferimentos imprevisíveis seriam gerados. Mas esse absurdo ocorre com nossa psique. As pessoas deixam suas emoções soltas, sem direcionamento, sem um mínimo de gerenciamento.
Elas se deixam manipular pelo humor triste, fóbico, depressivo, pessimista como se fossem marionetes, como se não tivessem nenhum poder gerencial.

Avaliação:
Quando estávamos na escola, aprendemos matemática, português, física, história, química, etc., mas jamais tivemos, na grade de horários, uma disciplina que nos ensinasse a lidar com a frustração. Somos habituados a tomar banho todos os dias, para fazermos a higiene do nosso corpo, mas não criamos o hábito de higienizar nossa mente, de forma a limpá-la dos pensamentos tóxicos que nos povoam durante o dia. Vemos pessoas de grande sucesso profissional que, supomos, têm tudo na vida, mas, um belo dia, ficamos sabendo que se suicidaram pois sofriam de depressão.
Todas as situações acima descritas mostram a falta de cuidado e de atenção que temos com nossa saúde mental e nosso psiquismo.

Pelo que eu pesquisei, este livro é relativamente antigo, e apenas foi reeditado recentemente. No entanto, as ideias contidas nele foram bastante novas para mim. Talvez não tão novas em termos de conteúdo, mas, na verdade, de abordagem. Os livros de autoajuda sempre nos orientam a ter bom humor, pensar positivo, evitar o estresse e não sucumbir à ansiedade, mas eu nunca havia lido antes algo que comparasse todas essas orientações com coisas “comuns” que tentam nos ensinar no dia a dia, como dicas de alimentação, de exercícios físicos e aulas de colégio.
O código da inteligência afirma que nosso cuidado com a saúde não deveria se restringir apenas ao corpo. Da mesma forma que devemos evitar consumir alimentos prejudiciais, o autor nos orienta a não consumir pensamentos prejudiciais. Além disso, ele também nos mostra que o conhecimento e a inteligência não deveriam ser apenas sobre quem foi Átila ou qual a fórmula de Bháskara, e, sim, sobre quais são os seus medos, por que eles te paralisam e o que você pode (e deve) fazer com relação a isso.
Uma comparação que o autor faz, da qual eu gostei muito, é quando ele afirma que o ser humano procura estudar e desvendar desde o universo mais longínquo até a partícula atômica mais infinitesimal, mas não procura entender o universo mais importante de todos, que é a sua própria mente e seus próprios pensamentos.

Achei bastante interessante ter visto a saúde mental abordada desta forma. Infelizmente este livro não veio até mim alguns anos antes, pois eu poderia ter evitado alguns percalços de forma tão simples quanto tomar banho ou fazer uma caminhada ou evitar comer muito açúcar.
Um único ponto que me desagradou um pouco foi a estrutura do texto em si. O livro é recheado de citações do autor, mas tiradas de seus outros livros. A impressão que passa é que ele está querendo fazer propaganda, já que, muitas vezes, as citações quase não têm a ver com o texto da página na qual elas estão inseridas. Alguns excessos de metáforas também acabam por fazer com que o livro não prenda muito a atenção do leitor. Os avoados (eu!) terão um pouco de dificuldade.
Entretanto, no geral, a leitura vale muito a pena, pela importância da visão que se dá a um assunto que deveria receber mais a nossa atenção. Motivos para isso não faltam, dado o caráter quase epidêmico das doenças psíquicas nos dias atuais.
O Código da Inteligência

Leia um trecho: aqui

Paris 2015 – a parte literária da viagem – II

30 de abril de 2015 - quinta-feira - 12:55h   ¤   Categoria(s): Blog

Finalmente eu arranjei um pouco de tempo pra escrever o post II da minha viagem pra Paris ♥! Desde que eu voltei de férias, já tive que enfiar a cara no trabalho e mal tive tempo de curtir o pós-viagem.

O post II é sobre as comprinhaaass!! \o/
Paris 2015

» LIVROS
Quando eu fui viajar, eu tinha na cabeça a meta de comprar 2 livros. Voltei de Paris com 9. NOVE!!! Tudo bem que 3 deles “não valem” pra entrar na fila de não lidos, rs. Mas mesmo assim… aff.
Bom, pelo menos comprei os que estavam na meta, hahaha!

Livrinhos de colorir
Eu nunca tinha parado pra olhar esses livros, nunca tinha nem chegado perto deles antes. Até que, ao entrar na Gibert Jeune, eu dei de cara com uma prateleira cheinha deles! De vários tamanhos e temas, com páginas destacáveis ou não, mas todos lindos!
Acabei comprando 3, não imediatamente da primeira vez que vi, nem todos na mesma loja. Mas foram 3, hehehe. E são eles que “não valem” pra fila. =D
Paris 2015
Tema: Paris
Paris 2015 Paris 2015
Tema: Art Nouveau
Paris 2015 Paris 2015
Tema: arte celta
Paris 2015 Paris 2015
Le petit Nicolas – Sempé/Goscinny
Desde as aulas de francês, lááá em 2004, eu ouvia falar do petit Nicolas. Ao longo dos anos, cheguei a xeretar os livrinhos dele quando via nas livrarias, mas nunca tomei a iniciativa de comprar.
Da outra vez em que fui pra Paris, eu não comprei porque não tinha nada planejado (pois a viagem era em grupo, por agência de turismo, e a gente ia passar pouquíssimos dias na cidade) e também porque não sabia a ordem dos livros na coleção.
Mas dessa vez eu não queria perder a nova oportunidade. Pesquisei direitinho, vi quais edições existiam, o preço, em que lojas poderia ter, etc. Era um dos livros da meta.
Paris 2015 Paris 2015Eu sempre quis ler as historinhas desse personagem porque é uma temática infantil, de linguagem mais simples, ótimo pra quem não quer passar muito perrengue de ficar indo no dicionário a tooodo momento.
Vamos ver se vai ser assim mesmo, rsrs.

Notre-Dame de Paris – Victor Hugo
Esse livro era o outro da meta. Um belo dia, eu inventei que, sempre que viajasse, procuraria comprar uma caneca do tipo souvenir clichê e um livro de um autor do país, no idioma original.
Eu escolhi Notre-Dame de Paris (ou O Corcunda de Notre-Dame, em pt-br) por alguns motivos:
- porque se passa na Paris medieval, em 1482, e há muita história como pano de fundo;
- por causa de um capítulo em específico, “Paris à vol d’oiseau”, dedicado a descrever a Paris da época (e eu “nem amo” esse tipo de coisa…);
- porque eu dei uma lida rápida na edição em francês que encontrei em uma Livraria Cultura e não me pareceu tão impossível quanto eu imaginava.
Paris 2015 Paris 2015 Paris 2015Eu cacei por várias livrarias uma edição que não fosse pocket e que tivesse um preço razoável, mas acabei desistindo. Era melhor ler o livro primeiro, que é a coisa mais importante a se fazer. Depois, se eu gostar, quem sabe eu não invente de colecionar edições dele?

Les Parisiens Comme Ils Sont – Honoré de Balzac
Sabe quando você está na livraria pra comprar um determinado livro mas um outro fica dançando na sua frente, te seduzindo? Pois é, foi o caso de Les Parisiens Comme Ils Sont, do Balzac. Fininho, pequeno, com um título pra lá de interessante e, ainda por cima, de um importante autor francês? Ai, inferno, vem cá que eu te levo, coisa linda!
É uma coletânea de crônicas publicadas inicialmente em jornais, e conta sobre a cidade e seus habitantes.
Paris 2015 Paris 2015

1000 Years Of Annoying The French – Stephen Clarke
Esse livro foi recomendação de um amigo, do tipo “Já que você curte história da França, lê esse”. Cheguei a ler pouco, um trecho que encontrei na internet, mas, do pouco que li, achei sensacional, tanto em relação à parte histórica quanto ao humor já anunciado no título.
E então que eu estava na Shakespeare and Company, me matando de emoção de estar lá, quando dei de cara com esse livro. Se fosse pra cometer a heresia de comprar um livro em inglês em Paris, que fosse em um lugar onde faria totalmente sentido. Voltei no dia seguinte na S&C.
Paris 2015 Paris 2015

A Year In The Merde – Stephen Clarke
Não contente, lembrei que esse autor tinha uma série de livros sobre a vida na França, a tal da série “Merde”. Pesquisei qual era o primeiro livro. Voltei mais uma vez na S&C.
Paris 2015 Paris 2015Destaque para o carimbo da S&C.
Paris 2015

Transperceneige – Lob, Rochette, Legrand
A lindíssima queridíssima fodíssima Editora Aleph lançou em março a HQ de ficção científica O Perfuraneve. Em um súbito clarão que eu tive quando estava na seção de quadrinhos da Fnac, lembrei que essa HQ é francesa. Lá fui eu importunar uma funcionária com meu francês ruim, sem saber quase nada sobre o livro:
- Madame, bonjour. Você poderia me ajudar, por favor? Eu estou procurando uma HQ, mas eu não sei o título em francês e também não sei os nomes dos autores. Sei que tem um trem que anda na neve, e é ficção científica.
- Ah, acho que sei qual é. Tem um seriado ou filme dele, não é? Vamos procurar no computador.
Depois de umas 3 tentativas de títulos, ela conseguiu encontrar pra mim! Dels abençoe essa mulher!
Paris 2015 Paris 2015Olha, esse livro pode não ser o mais importante que eu comprei em termos de literatura, mas com certeza é o mais lindo e o que mais valeu o esforço. =)

 
» MARCADORES DE PÁGINAS
Eu já mostrei também no instagram durante a viagem, mas quero mostrar de novo, porque são liiiiiiiiindoooooosss!!!
Paris 2015
Sainte Chapelle
Paris 2015 Paris 2015
Victor Hugo
Paris 2015 Paris 2015
Alexandre Dumas
Paris 2015 Paris 2015
Marcadores que ganhei na S&C quando comprei os livros lá.
Paris 2015

 
» SACOLAS
Sacola maravilhosa com a estampa de Tales from the Void, uma colaboração artística entre a S&C, The Cob Gallery e o grupo de artistas Le Gun
Paris 2015 Paris 2015
Saquinho de “papel de pão” onde veio o 2º livro que eu comprei na S&C (já que o primeiro eu levei dentro da sacola do Tales from the Void)
Paris 2015

 
———————

Aiai… Estou apaixonada pelas minhas compras! Não vejo a hora de começar a ler (e pintar também, rs). Pois é, ainda não tive tempo pra começar nenhum deles. Sacumé o trabalho, sacumé a fila. =D
Aliás, a fila… Vai ficar maior, mas paciência. A causa, dessa vez, é boa! =)
Reparem que todos os livros que eu comprei eram ou de autor francês/francófono ou de um assunto relacionado à França, inclusive os livrinhos de colorir. Felicidade sem fim!! ^____^

Para ler e ver fotos sobre os locais literários que eu visitei, vá para o post I.

Paris 2015 – a parte literária da viagem – I

13 de abril de 2015 - segunda-feira - 17:35h   ¤   Categoria(s): Blog

Entre os dias 30 de março e 10 de abril, eu fui viajar pra Paris.

Foi a 2ª vez que eu fui pra lá. A 1ª foi em 2011, mas fiquei na cidade somente por 3 dias, porque fazia parte de um roteiro maior, que pegou também Portugal, Espanha e algumas outras cidades da França.
Vai ter post sobre isso no meu blog pessoal, mas eu queria postar aqui a parte literária da viagem.

Este post I vai ter os seguintes tópicos:
- vi no metrô;
- locais que visitei;
- livros em museus.

O post II vai ter as compras. Não vou colocar aqui porque senão o bagulho fica gigantesco demais.

Algumas coisas vocês já viram no meu instagram, mas pra quem perdeu, posto algumas de novo.

» vi no metrô
O metrô de Paris tem muita propaganda, tanto nos corredores quanto nas estações. A maioria é de assuntos culturais, como teatro, cinema, exposições e livros. Vou chutar que uns 35% é de produtos de consumo e viagens.

Propaganda do livro Seis anos depois, do Harlan Coben
Paris 2015
Propaganda do livro do Jo Nesbø
Paris 2015
Harry Potter l’Exposition: em Saint-Denis, pertinho de Paris, na Cité du Cinéma. Vai de 4 de abril até 6 de setembro de 2015. Mais informações em www.harrypotterlexposition.fr.
Paris 2015

 
» locais que visitei
Vocês lembram que eu falei que uma das missões da minha vida era ir na Shakespeare and Company e comprar lá um livro de um autor francês? Pois é, consegui cumprir metade dela, rsrs. Na verdade, a S&C é especializada em livros anglófonos, então não encontrei nenhum livro em francês lá. Bom, até podia comprar um livro de um autor francês escrito em inglês, mas aí não faria sentido.
Paris 2015 Paris 2015Da primeira vez, eu fui só conhecer mesmo. Não tem foto de dentro porque não pode ficar tirando foto lá. O lugar é superapertadinho, entuchado de livros, visitantes e clientes. Imagina a bagunça e o incômodo que seria se pudesse tirar foto.
Aí eu voltei lá ainda mais 2 vezes, pra comprar 2 livros, um de cada vez, huahuahua! Uma das vezes estava meio muvucadinho, com fila pra entrar.
Paris 2015

A maison de Victor Hugo que fica na Place des Vosges, nº 6 é o local onde Victor Hugo morou entre 1832 e 1848. Infelizmente, ele estava fechado por conta de reformas para acessibilidade e museografia. A reabertura está prevista para 2 de junho. Mas deu pra tirar uma fotinho na porta. =)
Paris 2015

Inicialmente construído para ser um tributo a Sainte Geneviève, padroeira de Paris, o Panthéon foi laicizado, e nele hoje repousam célebres personagens da história francesa, entre eles, alguns escritores.
Cartazes explicando sobre Victor Hugo, Alexandre Dumas e Émile Zola
Paris 2015Cripta desses 3 escritores
Paris 2015 Paris 2015Túmulo do Victor Hugo
Paris 2015Túmulo do Alexandre Dumas
Paris 2015Túmulo do Émile Zola (tá bem ruim de ver, mas, acreditem em mim, rs, é o túmulo dele)
Paris 2015Estátua de Voltaire (o túmulo está atrás, esqueci de tirar foto)
Paris 2015
Também fui caçar o local onde a Gertrude Stein morou. Fica na rue de Fleurus, nº 27, e o prédio é habitado normalmente hoje.
Paris 2015 Paris 2015

A Bibliothéque Sainte-Geneviève fica próxima ao Panthéon. Ela apareceu no filme Hugo Cabret, quando o Hugo e a Isabelle vão pesquisar sobre Méliès.
Os visitantes só podem entrar na biblioteca acompanhados por um funcionário, que ficará junto com você dentro de um cercadinho bem no meio do salão da sala de leitura. A única coisa que é possível fazer é olhar, passar mal de deslumbre e tirar foto sem flash. Obviamente, não faz sentido permitir que turistas fiquem circulando entre as estantes e atrapalhando quem está querendo estudar. =)
Paris 2015

 
» livros em museus
Só umas fotinhos legais de uns livros antigos que tinham em alguns museus.
Paris 2015 Paris 2015 Paris 2015

Para ver as compras de livros e itens relacionados a leitura, vá para o post II.

Café da Manhã Intergaláctico – Editora Aleph

25 de março de 2015 - quarta-feira - 17:51h   ¤   Categoria(s): Eventos, Ficção Científica, Literatura estrangeira

Hoje, dia 25 de março de 2015, rolou o Café da Manhã Intergaláctico, realizado pela ultrafoda Editora Aleph.
Café da Manhã Intergaláctico
É claaaaro que eu fui lá conferir o que seria falado sobre essa combinação perfeita que é o universo nerd e a literatura.

O Café da Manhã aconteceu na Reserva Cultural, que fica na Av. Paulista, 900.
Primeiro teve o café da manhã em si, com alguns comes e bebes, e em seguida fomos para uma das salas de cinema que a Aleph tinha reservado para esse evento.

Bom, eu não sei nem por onde começar, porque falaram de tanta coisa bacana que eu me sinto como uma criança de 7 anos quando volta de um acampamento superlegal e quer contar tudo pros pais, rs.

O bate-papo foi feito pelo Adriano Fromer e pelo Daniel Lameira, respectivamente diretor editorial e editor da Aleph.

As fotos não ficaram tão boas porque são de uma tela de cinema dentro de uma sala escura. Fora o fato de eu ter sentado no canto. Mas também não fiquei tirando foto de tudo porque, convenhamos, eu tava lá pra prestar atenção ao que eles tinham pra falar.
Café da Manhã Intergaláctico

Alguns dos tópicos abordados foram:

» história e crescimento recente da Aleph
O Adriano Fromer contou um fato muito triste, que foi o falecimento do pai dele, há 3 dias. O professor Pierluigi Piazzi é o fundador da editora. A frase mostrada na tela é de quebrar as pernas! =´)
Café da Manhã Intergaláctico Também foram mostrados alguns números e gráficos sobre o quanto a editora cresceu, graças à (ou juntamente à) maior disseminação da ficção científica entre os leitores.

» universo expandido de Star Wars
O Daniel Lameira é, segundo o que eu vi em uma imagem de divulgação de um evento da Aleph, “responsável pela publicação dos livros do universo expandido de Star Wars, além de clássicos da ficção científica mundial”. Ele falou de Herdeiro do Império, do Timothy Zahn, passou alguns vídeos sobre o universo expandido…
Café da Manhã Intergaláctico…e mostrou, em primeira mão, a capa do 2º livro da Trilogia Thrawn: Ascensão da Força Sombria (o original em inglês é Dark Force Rising).
Café da Manhã Intergaláctico Pros fãs de Star Wars, acalmem-se. Tem mais uns 20 títulos do E.U. que a Aleph vai publicar. Alguns deles são:
- Um novo amanhecer
- O último comando (3º volume da Trilogia Thrawn)
- Darth Vader e filho
- Princesinha de Vader
- Sombras do Império
- Academia Jedi
- Tarkin
- Herdeiro do Jedi
- Troopers da morte
- Como Star Wars conquistou o Universo

» as eras da ficção científica
Uma das coisas que eu mais curti (na verdade, eu curti tudo, né…) foi um painel com a história da ficção científica, dividindo-a por eras, de acordo com as características e o estilo mais presente em cada época, e mostrando os livros e/ou autores mais típicos. Bem didático, bem interessante, um prato cheio pra quem gosta de aprender coisas novas. E eu nem gosto, vá! =D
Café da Manhã Intergaláctico

» difusão da ficção científica
Também foram discutidos a questão do porquê de a ficção científica só estar se difundindo recentemente, as razões por que muitas pessoas ainda não gostam do gênero, os preconceitos que ainda permanecem e o que, na realidade, a ficção científica aborda.

» lançamentos
Café da Manhã Intergaláctico No final, eles mostraram os futuros lançamentos da editora. Entre os que eu me lembro, estão:
- O Planeta dos Macacos – Pierre Boulle
- Jurassic Park – Michael Crichton
- Tropas Estelares – Robert A. Heinlein
- Cyberstorm – Matthew Mather
- Alien – Alan Dean Foster
- Eu Sou a Lenda – Richard Matheson
- Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos – Emmanuel Carrère (biografia do Philip K. Dick)

» brindes ultrafoda
Vocês não têm noção do peso da sacola linda que os convidados ganharam na saída! Eu quase caí de costas quando vi o conteúdo!!
- sacola do livro O Planeta dos Macacos e 3 textos de prefácio ou introdução, do William Gibson, da Ursula K. Le Guin e do Isaac Asimov
Café da Manhã Intergaláctico – livros Kenobi, do John Jackson Miller, e As Fontes do Paraíso, do Arthur C. Clarke, caderninho (sem pauta!! \o/) de 2001 – Uma Odisseia no Espaço, marcadores de páginas e uma garrafa contendo um pergaminho (referência ao livro O Planeta dos Macacos). De todos os kits distribuídos, em 5 deles a garrafa está premiada com 10 livros da Aleph
Café da Manhã Intergaláctico Fala sério. Diz se não é pra passar mal?

Queria agradecer de coração o convite da Aleph! Aprendi muito, me encantei, me diverti e fiquei passada com os brindes que ganhei! Valeu muito a pena ter acordado mais cedo, rsrs. ♥