[resenha] O Dragão de Sua Majestade

5 de setembro de 2011 - segunda-feira - 18:47h   ¤   Categoria(s): Aventura / Fantasia, Literatura estrangeira, Resenhas

O Dragão de Sua MajestadeTítulo: O Dragão de Sua Majestade
Título original: His Majesty’s Dragon
Autor: Naomi Novik
País: EUA
Ano: 2006
Editora: Galera
Tradutor: Edmo Suassuna Filho
Páginas: 348
Sinopse: Durante a era napoleônica, uma descoberta estranha transforma os rumos de uma grande guerra entre duas das maiores potências do mundo. Um ovo de dragão encontrado em uma fragata francesa capturada pelos ingleses se torna o pivô de batalhas aéreas. Temeraire, o dragão, descobre dentro de si um poder desconhecido que mudará para sempre não só a vida de seu capitão, mas também toda a história da humanidade.
Compre: compare preços

A criatura piscou. O capitão percebeu que os olhos eram de um azul profundo, com pupila vertical. Então a criatura falou:
- Por que está de cara feia?
[...]
Laurence encarou a criatura, em seguida o pálido e assustado rapaz, para então respirar fundo e dizer:
- Peço perdão, não o fiz de propósito. Meu nome é Will Laurence; qual é o seu?
Nenhuma disciplina poderia ter evitado o murmúrio de choque que atravessou o convés. O dragonete não pareceu percebê-lo, mas pensou na pergunta por vários momentos, e finalmente disse, com ar insatisfeito.
- Eu não tenho um nome.

Avaliação:
O ovo de dragão encontrado no navio francês capturado pela Marinha Real Britânica chocou em pleno mar. De forma inesperada e totalmente fora do que havia planejado, capitão Laurence foi escolhido pela criatura e solicitado, por ela mesma, que lhe desse um nome.
Temeraire.
Ao colocar-lhe o arreio, o capitão sabia que estava preso por toda sua vida ao dragão, tendo que se tornar seu aviador, deixar a Marinha e servir a Sua Majestade no Corpo Aéreo do país.

Entretanto, ao longo da convivência e do intenso treinamento pelo qual precisam passar, Laurence e Temeraire descobrem uma inesperada afinidade que resulta numa sólida amizade entre o cavaleiro e sua fera. Juntos, evoluem em suas habilidades bélicas e enfrentam provas de fogo, dentre outras descobertas e aprendizados.

Antes de começar a ler o livro, a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato de a autora ter misturado, dentro de uma única história, fantasia e fatos históricos. Mas ao longo da leitura, isto deixa de ser tão importante, passando a ter como “protagonista” o relacionamento entre o capitão Laurence e Temeraire. Os diálogos entre eles chegam a ser perturbadoramente emocionantes, tamanha é a demonstração de lealdade e vínculo de um para com o outro.

Além disto, diferentemente das outras histórias de dragões que já li, neste livro há muito pouco da tradicional aventura fantástica de magias e varinhas de condão, o que acaba tornando-o ainda mais interessante e “próximo” da realidade.

Também não pude deixar de tirar uma foto mais detalhada da capa, que é linda e, na minha opinião, mais bonita que a da edição anterior. O tom envelhecido contrasta com o título em relevo brilhante de maneira maravilhosa.

Não vejo a hora de ler as continuações!
O Dragão de Sua Majestade O Dragão de Sua Majestade

Veja também:

    3 comentários para “[resenha] O Dragão de Sua Majestade”

  1. Oi Lia!
    Não conhecia esse livro, vou indicá-lo para a minha filha que adora aventuras e dragões!
    Beijos…Elis Culceag.

  2. FelipeNasca disse:

    Não pude deixar de sentir um ar “Eragonesco” ao ler a sinopse, foi mais forte que eu, rs.

    Mas é evidente que inserir a criatura mágica em tempo e lugar historicamente conhecidos é o diferencial do livro.

    Nesses casos, acho que um autor pode seguir dois caminhos. Um é fazer com que a trama envolva fatos que não influenciem muito na História da “vida real” e desenvolver ao seu bel prazer. O outro é costurar os fatos de tal modo que tudo culmine em algum evento / fato Histórico famoso, de modo que o leitor fique estupefato com como tudo se encaixa com a História oficial e por isso parece “factível” (ok, sentença longa e confusa XD).

    Acho que o segundo caminho chama mais atenção, pois deve requerer uma sagacidade muito grande do escritor. Mas o primeiro, que esse livro parece ter tomado, pode ser tão bom ou até melhor, porque só depende da criatividade do autor, presumo.

    Aliás, muito louca a capa japonesa do livro!

  3. HOri disse:

    Oaw! Parece muito legal! Nunca pensei numa mistura dessas… Como ex-RPGista fico ainda mais interessado ao ver histórias que ainda respeitam o poder dessas criaturas mágicas.

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree