[resenha] O Médico e o Monstro

3 de novembro de 2011 - quinta-feira - 16:38h   ¤   Categoria(s): Literatura estrangeira, Resenhas, Terror / Sobrenatural

O Médico e o MonstroTítulo: O Médico e o Monstro
Título original: The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde
Autor: Robert Louis Stevenson
País: Escócia
Ano: 1886
Editora: L&PM
Tradutor: José Paulo Golob, Maria Angela Aguiar e Roberta Sartori
Páginas: 62
Sinopse: Esta obra traz à vida uma história sobre a natureza humana e a dualidade entre o bem e o mal. O livro acompanha a investigação do advogado Gabriel John Utterson sobre as estranhas ocorrências com seu amigo Dr. Henry Jekyll, um homem recatado, elegante, que protege, até depois de sua morte, Edward Hyde, um criminoso de feições grosseiras e hábitos assustadores.
Compre: compare preços

– [...] O nome do homem era Hyde.
– Hmm – fez Mr. Utterson. – Qual a aparência dele?
– Ele não é fácil de descrever. Há algo de errado com sua aparência, alguma coisa desagradável, alguma coisa realmente detestável. Nunca vi nenhum outro homem a quem detestasse tanto, e devo confessar que não saberia dizer por quê. Ele deve ter alguma deformidade em algum lugar do corpo, embora não consiga especificar em que ponto.

Avaliação:
O ponto de partida desta clássica história se dá durante um dos passeios dominicais a pé de Gabriel John Utterson com seu primo Richard Enfield, quando este lhe conta sobre um episódio que presenciou, em uma madrugada, de um estranho homem que pisoteou uma criança. Este homem, de nome Edward Hyde, era herdeiro do médico Henry Jekyll, conforme o testamento que estava em poder do advogado Mr. Utterson.

Como dito na sinopse, esta história trata do fenômeno das múltiplas personalidades, que ocorre nas pessoas não somente em forma de doenças psiquiátricas, mas simplesmente no fato de termos sempre um lado bom e um lado mau dentro de nós mesmos.

Apesar de a história ser bem curta, achei a leitura um pouco cansativa, envolta em mistérios de uma maneira bem nebulosa, com os fatos obscuros e a presença de percepções não-ditas. Toda a explicação é dada no final, de forma que você sente necessidade de relê-la, também encorajado pela pequena quantidade de páginas.

Aliás, o livro onde eu li O Médico e o Monstro, na verdade, é uma coletânea contendo também Drácula, de Bram Stoker e Frankenstein, de Mary Shelley. Chama-se Clássicos do Horror, da Série Ouro da L&PM. Um pouco pesado pra carregar ou segurar ao ler, mas vale a pena, por já ter as 3 histórias logo de uma vez, e provavelmente ser mais barato do que se comprasse os 3 livros separados.
O Médico e o Monstro

Filme:
Para complementar a leitura, eu assisti o filme de 1931, considerado uma das versões mais clássicas. O enredo central não muda muito, mas a história do filme difere em muitas partes, como a presença de personagens femininas, que não existem no livro. O que eu achei mais interessante foi a oportunidade de poder ver como era o estilo de filmagem, atuação e efeitos especiais do começo do século XX.
Eu não encontrei nenhum trailer, mas segue abaixo um trecho do filme.

Além disso, a história do dr. Jekyll e do Mr. Hyde é um legado cultural tão importante que gerou inúmeras adaptações. Uma das mais bonitinhas é a do Frajola e do Piu-piu. Rsrs…

Veja também:

    7 comentários para “[resenha] O Médico e o Monstro”

  1. Kelly disse:

    Oi Lia!
    Nossa, que legal! Eu não conhecia essa coletânea da L & PM. Como ainda não li nenhum desses supenses clássicos, vou comprar. Adorei a dica!
    Também não assisti ao filme, mas me lembro desse episódio do Frajola e do Piu-piu rs
    Beijos!

  2. Aleitora disse:

    Olá! :)

    Esse livro é realmente um clássico!
    Quando você disse que a leitura era curta fiquei intrigada, só percebi que era uma coletânea depois que você falou rsrsrsr. Na escola onde trabalho os aluno receberam livros, um deles é esse, mas uma versão ilustrada. Fiquei olhando e pensei que devia ser uma adaptação, por ser muito fino, srrsr é bem legal, cheio de ilustrações, se não me engano é a versão da melhoramentos.

    Lembro que li no twitter que você estava relendo, então comecei a esperar pela resenha ^-^
    Outra coisa que fiquei pensando foi no filme “A liga extraordinária”, em que aparecem não só o personagem do Henry Jekyll, como Dorian Gray e outros, acho bem legal :)

    … ah! E suas resenhas são realmente ótimas, muito bem escritas!

    Até mais!
    :*

  3. Tá aí um clássico que eu nunca li.Primeiramente,por causa de sua enorme brochura,mas tenho uma curiosidade imensa de lê-lo.Por enquanto,vou parabenizando pessoas como vc que tem essa coragem e maestria de resenhá-lo com tanta perfeição.
    Bjs,flor!
    Zilda Mara
    Cachola Literária

  4. HOri disse:

    Acho que é um dos títulos clássicos que eu tentei ler, mas não terminei pois não gostei do livro. Talvez a expectativa sobre o livro foi muito grande devido ao status. De qualquer forma eu não leio ou termino livros que não me atraem e este foi um deles.

  5. Oi, Lia!
    Olha, certa vez minha mãe me comprou uma revista chamada Gênios – que por sinal nem está mais em circulação -, onde junto veio um exemplar capa dura de O Médico e o Monstro. Já tentei ler, mas logo no começo achei a narrativa chata e arrastada, como você mesma apontou. Sei que é um clássico; quero lê-lo por inteiro algum dia, só não sei quando…

    Beijos!
    Jonathan Henrique
    @Jonathan_HGF

  6. FelipeNasca disse:

    Dizem que um dos principais critérios para determinara relevância de uma obra é a quantidade de referências a ela feitas ao longo dos anos. E “O Médico e o Monstro” é (e será por muito tempo, creio eu) referido ad nauseam, hehe.

    Se, por um lado, isso é um belo indício do quanto vale a pena ler a obra, acredito que tenha um lado negativo. De tanto ver referências, uma pessoa pode sentir que não tem a necessidade de ir atrás do original, afinal já sabe do que se trata, por causa de toda as referências; e isso tende a piorar com o passar do tempo. É óbvio que, por numerosas que sejam, referências são sempre incompletas e não proporcionam tudo, aliás não proporcionam nem metade do que a obra original pode proporcionar. Mas essa é uma daquelas verdades que, por mais evidentes que sejam, não são lembradas constantemente, as pessoas tendem a negligenciar coisas tão óbvias assim. Isso é meio triste, né? Nossa, como eu divaguei… XD

    Ah, a propósito, Lia, não entendi bem o que significa “percepções não ditas”.

    Beijim!

    A propósito

  7. ClaudiaF. disse:

    Eu li “O médico e o monstro” quando estava na escola. Li e tinha que contar pra toda a turma depois. É bem legal. Adorei sua resenha! *-*

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree