[resenha] Xadrez

7 de março de 2012 - quarta-feira - 15:48h   ¤   Categoria(s): Literatura nacional, Resenhas, Romance

XadrezTítulo: Xadrez
Autor: Fabiane Ribeiro (autora parceira)
País: Brasil
Ano: 2011
Editora: Terceira Imagem – Multifoco
Páginas: 380
Sinopse: Inglaterra, 1947. A Europa encontra-se devastada pela Segunda Guerra Mundial, assim como o coração de Anny. A garota de oito anos vê seu mundo desmoronar ao receber a notícia de que não poderá mais viver com os pais e terá que se mudar de casa levando pouco mais que seu tabuleiro de xadrez. Tudo parecia um pesadelo, até que surge Pepeu, um jovem misterioso que mudará para sempre a vida de Anny, levando-a a aprender sobre o mundo e a viver momentos emocionantes sem sair dos canteiros de seu pequeno jardim. Ao lado de anjos que são colocados em sua jornada, a doce menina aprende a enfrentar as dificuldades através de lições de abnegação, fé e amor verdadeiro.

- Você não entendeu, querida, – falou Jefferson – nós iremos voltar uma vez ao ano apenas, para ver você e a casa.
– Então Melanie [a empregada] irá ficar comigo o tempo todo?
– Não, não será assim.
– Mas vocês querem que eu fique sozinha? – perguntou Anny. As lágrimas escorriam sobre sua face com mais intensidade do que nunca.
– Não, querida, também não seria justo – disse Jefferson. – Você irá viver com outra família, onde terá companhia todos os dias, pessoas para cuidar de você, e continuará tendo suas aulas. Amanhã, você irá para sua nova casa.

Avaliação:
Eu havia terminado a leitura, fechado o livro e o meu coração estava leve. Nos meus olhos, havia aquele meio vazio, meio pensativo, de quem estava tentando entender o que estava sentindo.

Anny é uma garota de 8 anos, cujos pais viajam muito, a trabalho. Ela passa a semana inteira sozinha em casa, apenas com a empregada. Mesmo nos fins de semana, quando seus pais retornam, sábado é o único dia em que Anny pode passar com eles, pois de domingo, eles se trancam no escritório de casa para trabalhar.
Um belo dia, Anny fica sabendo que não poderá mais morar com seus pais, que passarão a viajar por outros países durante longo tempo, e ela precisará passar a morar com o casal vizinho, da casa dos fundos. O problema? Eles já não são tão jovens, nunca tiveram filhos, e a esposa é a amarga professora de Anny.
Como se fosse um fardo extremamente incômodo, Anny passa a ser maltratada na sua nova casa, tendo que fazer pesados serviços domésticos, sendo proibida até de se sentar no sofá.
Entretanto, mesmo diante de inúmeras e tristes adversidades, Anny mantém sempre a bondade no seu coração, enxergando a todos os acontecimentos de forma positiva. Aos poucos, passam a aparecer em sua vida diversos anjos que lhe fazem companhia, tornam o seu dia-a-dia mais alegre e lhe trazem alguns ensinamentos.

É estranho ver como um livro pode ser tão pesado e tão leve ao mesmo tempo. A forma como Anny é maltratada na casa onde passa a morar é de causar revolta. Em algumas cenas, eu chegava a ficar atordoada com tamanha violência, tanto psicológica quanto física. Mas igualmente atordoante era a forma como a menina encarava tudo isso. Antes de entrar em sintonia com o livro, eu chegava a achar ingênua e até utópica demais toda a bondade de Anny. Mas aos poucos, com o passar das páginas, e de forma quase homeopática, a mensagem do livro foi entrando em meu coração.

Apenas um ponto que eu gostaria de comentar, que talvez muitas pessoas que leram o livro tenham notado, é a repetitividade de um trecho no começo. As cenas das primeiras semanas de Anny na casa vizinha realmente foram bastante iguais, não sendo necessário descrever no nível de detalhe a cada dia que se passava. Mas ao mesmo tempo em que essa característica começou a incomodar, ela deixou de existir. A história, então, simplesmente fluiu.

Para mim, “Xadrez” é um livro sobre otimismo, positividade, bondade e amor. Não importa que tipo de circunstâncias a sua vida venha a te trazer, ela será da maneira que você a enxergar. E quando eu digo “para mim”, é porque tenho a impressão de que a mensagem passada pela autora pode ter diversas interpretações, dependendo do estilo de vida que você tem, dos seus valores e das suas crenças.
Eu vi em “Xadrez” um convite sutil, terno e delicado para se repensar a própria vida e compreender que cada um é totalmente responsável pela própria felicidade.
Xadrez

Veja também:

    5 comentários para “[resenha] Xadrez”

  1. AmandaG. disse:

    Nossa! Só de ler um trecho do livro me deu um aperto da garganta. Deve ser triste viver com uma família que não é a sua e ainda ser maltratada por ela. E ela têm 8 anos, ou seja, acho que nem tem opção D= Fiquei com vontade de lê-lo.

  2. Giil Almeida disse:

    Oi Lia!
    Gostei da arte da capa!
    E a história também me deixou um tanto curiosa.
    Na minha lista está incluso o livro “Corações em Fase Terminal” que é da Fabiane.
    A história de “Xadrez” para ser bem intensa mesmo.
    Gostei da resenha.

    Bjos,
    Verbologia Pink

  3. Lilian Darini disse:

    já tinha visto o livro… me interessei pela capa!! acho q foi por aqui mesmo que vi!!

    Muito bom… adoro livros que tem como personagem principal uma criança!! Elas tem muito pra nos ensinar!!

    “A Jornada” tem algo em comum… a capa com uma borboleta (monarca) e uma garota mais ou menos dessa idade como personagem principal!!

    EU QUEROO!!!

  4. Marla disse:

    Não é a primeira vez que vejo falar sobre esse livro , mais é a primeira vez que leio uma resenha sobre ele. Gostei da sua resenha, ela me passou que apesar do livro ter momentos onde a protagonista passa por momentos difíceis, ela nunca perde a fé. Dica anotada !!!
    *bye*

  5. Thyeri Bione disse:

    Gostei da sinopse, e tua resenha me deixou intrigado. Fiquei curioso com teus sentimentos para com a leitura do livro, e o que do livro suscitou-os. Quero saber como o jogo de xadrez perpassa a vida dos personagens, pois a partir do jogo e dos jogadores podemos extrair várias lições.

    Bjo,
    restaurantedamente.com

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree