[resenha] Orgulho e Preconceito

19 de junho de 2012 - terça-feira - 21:01h   ¤   Categoria(s): Literatura estrangeira, Resenhas, Romance

Orgulho e PreconceitoTítulo: Orgulho e Preconceito
Título original: Pride And Prejudice
Autor: Jane Austen
País: Inglaterra
Ano: 1813
Editora: L&PM
Páginas: 392
Sinopse: Orgulho e Preconceito apresenta o romance de Elizabeth Bennet, segunda mais velha dentre cinco filhas solteiras de uma família inglesa sem muitas posses, e Fitzwillam Darcy, um rico esnobe que a conhece em um baile e, diferente dos mocinhos clássicos, não fica imediatamente encantado por ela. A busca das jovens mulheres por um bom casamento na sociedade inglesa rural do século XIX é o mote do romance e também o principal alvo da crítica da escritora.
Compre: compare preços

É verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro em posse de boa fortuna deve estar necessitado de esposa.
Por menos conhecidos que possam ser os sentimentos ou pontos de vista de tal homem em seus primeiros contatos com um novo ambiente, essa verdade está tão enraizada nas mentes das famílias vizinhas que o recém-chegado é considerado propriedade de direito das moças do lugar.

Avaliação:
“Como escrever uma resenha de um clássico da literatura sem derramar clichês no texto, principalmente quando a sua opinião com relação ao livro é a mesma da maioria que o leu?” Pois é, isso foi o que me passou pela cabeça antes de começar a resenhar simplesmente o segundo livro mais amado pelos leitores do Reino Unido, conforme uma enquete feita pela BBC de Londres em 2003.

Os dois pontos que mais me chamaram atenção em Orgulho e Preconceito tratam-se de características que eu poderia classificar como opostas, mas que ocorrem de forma simultânea. As críticas à sociedade inglesa rural do século XIX podem ser perfeitamente aplicadas aos dias atuais, por exemplo, no Brasil em que vivemos hoje. O casamento por interesse, a futilidade das pessoas, a preocupação em exibir aquilo que não se é e o julgamento baseado em aparências são atitudes que ainda existem, 199 anos depois da publicação do livro. Em contraponto, a caracterização da época, com diversos valores e costumes que já não existem mais na sociedade ocidental, é encantadora ao pintar o retrato fiel do período. Exemplos disso são a forma de tratamento entre marido e mulher, o tempo entre 2 pessoas se conhecerem e o pedido de casamento, a questão do direito à herança no caso de filhas mulheres, a diferença entre a vida rural e a vida na cidade, as casas, os veículos etc.

Como eixo principal do enredo, temos os relacionamentos amorosos entre personagens de variadas personalidades: o cavalheiro sempre gentil e bem-humorado, seu amigo que à primeira impressão é tido como arrogante, os homens que mentem descaradamente para conquistar donzelas ingênuas, a moça doce e sempre sorridente, a sua irmã geniosa, sagaz e irônica, a adolescente frívola e inquieta.
Colocando como pano de fundo as características citadas anteriormente, temos, então, o romance que continua não só atraindo leitores como também vem sendo adaptado na TV e no cinema até a atualidade.

Deixando de lado toda a importância da obra no contexto da literatura mundial, Orgulho e Preconceito também tem sabor de uma boa novela, pelos relacionamentos, intrigas, humor e cotidiano contidos nele. Mas seja por puro entretenimento ou pela elegância de se ler um clássico, eu me pergunto o que seria a minha infinitamente humilde recomendação diante de 199 anos de sucesso deste livro…

Orgulho e Preconceito também faz parte do Desafio Realmente Desafiante, cuja meta do mês de junho é ler um livro que virou filme. Apesar de eu estar lendo por causa da adaptação de 2005, uma amiga minha me recomendou fortemente a série da BBC, de 1995, que está no vídeo no fim do post.
Orgulho e Preconceito

Leia um trecho: (fonte: Livraria Cultura)

Minissérie em 6 capítulos:
Pride And Prejudice (1995) – trailer

    7 comentários para “[resenha] Orgulho e Preconceito”

  1. Fernanda Pinto disse:

    Esse livro é magnífico, fiquei apaixonada pela escrita e pelas críticas feitas pela autora. Recomendo também o filme.

  2. Cris Aragão disse:

    Eu sou fã de Jane Austen e esse é o meu preferido de todos os livros que já li dela. No post você mostra a série da BBC que eu ainda não assisti, mas eu assisti o filme, que é bem fiel ao livro, uma boa adaptação para um livro que eu amo.

  3. Manu Hitz disse:

    O filme é lindo e com certeza o livro é muito melhor, pq o filme não consegue condensar toda a arte literária em 2 horas.

  4. Já vi até ensaio fotográfico para casamento baseado em Orgulho e Preconceito! Os melhores livros são aqueles que se encaixam perfeitamente em qualquer lugar e qualquer tempo, são atemporais.

  5. Giani Plata disse:

    Gosto muito de livros que se passam em séculos anteriores!

    São um modo de conhecermos um período que não vivemos!
    E sou tããão curiosa!!!!

    O Futuro não é tão interessante….
    Vivemos eles todos os dias que acordamos!

    Já ouvi muito sobre este livro, mas ainda não tive oportunidade de lê-lo….

    Vai para a minha lista!!!

    Bju Bju Bju

  6. Paula Camargo Souza disse:

    Realmente esse livro é um clássico né!
    Nunca tive interesse nesse livro,mas se o livro for tão liindo e bom quanto ao filme,quero leer x)

  7. Oi Lia!
    Sua resenha é sempre diferente, não importa quantas já tenham sido feitas em relação a esse livro :)
    Adorei a comparação com os dias de hoje. Parece que a sociedade continua insistindo nos mesmos erros, principalmente no que se refere à futilidade e preocupação em exibir aquilo que não se é. Agora com a internet, então, isso é o que mais se vê rsrsrs…
    Beijos… Elis Culceag.

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree