[resenha] O Primo Basílio

4 de maio de 2013 - sábado - 10:05h   ¤   Categoria(s): Desafios, Literatura estrangeira, Resenhas, Romance

O Primo BasílioTítulo: O Primo Basílio
Autor: Eça de Queirós
País: Portugal
Ano: 1878
Editora: Ática
Páginas: 328
Sinopse: O Primo Basílio é um romance de Eça de Queirós. Publicado em 1878, constitui uma análise da família burguesa urbana no século XIX. O autor, que já criticara a província em O Crime do Padre Amaro, volta-se agora para a cidade, a fim de sondar e analisar as mesmas mazelas, desta vez na capital: para tanto, enfoca um lar burguês aparentemente feliz e perfeito, mas com bases falsas e igualmente podres. A criação dessas personagens denuncia e acentua o compromisso de O Primo Basílio com o seu tempo: a obra deve funcionar como arma de combate social. A burguesia – principal consumidora dos romances nessa época – deveria ver-se no romance e nele encontrar seus defeitos analisados objetivamente, para, assim, poder alterar seu comportamento. As personagens de O Primo Basílio podem ser consideradas o protótipo da futilidade, da ociosidade daquela sociedade.
Compre: compare preços

Ia encontrar Basílio no Paraíso pela primeira vez. E estava muito nervosa; não pudera dominar, desde pela manhã, um medo indefinido que lhe fizera pôr um véu muito espesso, e bater o coração ao encontrar Sebastião. Mas ao mesmo tempo, uma curiosidade intensa, múltipla, impelia-a, com um estremecimentozinho de prazer. Ia, enfim, ter ela própria aquela aventura que lera tantas vezes nos romances amorosos!

Avaliação:
Longos foram os 20 dias que demorei para ler este livro. Mas valeram a pena! Gostei muito de, finalmente, ter lido este grande clássico da literatura lusófona. E não digo isso só porque é clássico e porque pega bem dizer que gostou. Quem acompanha meu blog sabe que sou sincera nas minhas opiniões, por mais bizarras, estranhas ou até erradas que elas sejam.

A leitura se arrastou bastante no começo e foi bem difícil, principalmente por conta do vocabulário. Vivia consultando o dicionário, mas foi ótimo para aprender palavras novas. Com o desenrolar das páginas, acho que acabei me acostumando com a linguagem e o estilo, e o livro fluiu bem melhor.

Luísa e Jorge são casados há 3 anos. Ele, engenheiro. Ela, devoradora de romances cheios de intensas histórias de amor. Juntos, um típico casal da sociedade burguesa lisboeta do século XIX. Um belo dia, Luísa fica sabendo que Basílio, seu primo – que por muito tempo morou no Brasil e no momento estava morando em Paris – está para vir à cidade, a negócios. Os problemas são: Luísa e Basílio foram como que namoradinhos durante a juventude, e o primo começa a visitá-la em sua casa justamente quando o marido, Jorge, fica fora de casa durante cerca de 2 meses, em uma viagem a trabalho.

A história é realmente sensacional. Fiquei imaginando o escândalo que o livro causou quando foi lançado. Gostei muito dessa leitura principalmente por ser uma crítica aos valores morais do fim do século XIX. Aliás, uma das melhores coisas de se ler um livro “antigo” é que é possível entender não só a mentalidade da época, mas também o linguajar, os comportamentos, hábitos, relacionamentos e até vestuário e tecnologia.

Apesar das dificuldades com o vocabulário, acho que o livro vale muito a pena, até para os adolescentes. Com um pouco de paciência e uma boa orientação por parte dos professores, acredito ser possível extrair um pouco de diversão desta importante obra.

Eu sinceramente não me recordo se li ou não este livro quando estava no colégio. O exemplar que eu tenho aqui em casa é super velhinho, como podem ver pela foto, mas ter um determinado livro, em se tratando de Lia Fugita, não quer dizer absolutamente nada, rs.

Esta resenha faz parte da meta de abril do Projeto Variedade Literária.
O Primo Basílio

Adaptações:
Pesquisando na internet, sei que há pelo menos 2 adaptações, uma em minissérie (1988) e uma em filme (2007). O vídeo abaixo é um trecho da minissérie, onde Giulia Gam fazia o papel da protagonista Luísa e Marília Pêra era a criada Juliana. A cena é uma das mais importantes da história do livro.

    2 comentários para “[resenha] O Primo Basílio”

  1. Eu li obrigada no ensino médio, então minha relação com ele não foi lá das melhores. Pretendo sinceramente reler um dia sem obrigações e preconceitos, como você fez aqui.
    Essa minissérie poderia ser refeita não é? Um incentivo a cultura.

    Beijos
    http://www.leitoraincomum.com

  2. Bruna disse:

    Oii :D

    Não li esse livro, mas lembro (não tão bem quanto gostaria) das aulas de literatura no ensino médio em que falamos sobre ele ^.^
    Não tive muita vontade de lê-lo na integra, ao analisar os capítulos não despertaram aquela curiosidade… hoje em dia acho que daria uma chance. Mas a verdade é que “não fui com a cara da Luiza” rs e fiquei meio revoltada com a traição, apesar de saber que só lendo para entender ao certo o que se passou. Então, imagino também que escândalo não foi para a época *.* E o Crime do padre Amaro então!! Acho que é por isso que são chamados de clássicos, além de fazem o leitor mergulhar na época, como você disse entendendo cada parte daquela sociedade, tem essa atemporalidade, mostrando diferenças e semelhanças entre outras épocas e hoje.

    É realmente difícil o inicio da leitura de obras clássicas, mas acho que forçando um pouquinho a gente sempre consegue (ou quase sempre rs).

    Tenho certeza de que se você não tivesse gostado livro isso estaria muito claro em sua resenha. E achei bem legal o que você fala sobre essa questão do “pega bem dizer que gostou”, acho que indicar clássicos é muito válido, alguém deve invetivar, mas uma opinião sincera e bem exposta “pega bem melhor” ^.^

    Adorei a resenha, têm alguns clássicos que realmente quero ler, mas a verdade é que dependo muito do momento, pois influencia muito em como “sinto” a leitura… quando leio com vontade e curiosidade tenho uma visão melhor da história e, para tanto, boas resenhas, como a sua, ajudam muito :)

    Até mais!!
    Bjs!!

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree