[resenha] O Código da Inteligência

29 de maio de 2015 - sexta-feira - 08:53h   ¤   Categoria(s): Autoajuda, Literatura nacional, Psicologia, Resenhas

O Código da InteligênciaTítulo: O Código da Inteligência
Autor: Augusto Cury
País: Brasil
Edição original: 2008
Editora: Sextante
Páginas: 255
Sinopse: Analisando a fundo o funcionamento de cada um desses códigos e os benefícios que nos trazem, Cury mostra como podemos assumir o controle de nossa vida, superando medos, inseguranças e limitações. O autor também alerta para as quatro armadilhas da mente (o conformismo, o coitadismo, o medo de reconhecer os erros e o medo de correr riscos), que aprisionam a criatividade, asfixiam a emoção e aumentam o estresse. Em uma abordagem inovadora, você vai descobrir como lapidar, expandir e irrigar sua inteligência socioemocional. Analisando o comportamento humano sob os pontos de vista psicológico, filosófico, psicopedagógico e sociológico, Cury aborda os hábitos dos bons profissionais e os compara com os hábitos dos profissionais excelentes – aqueles que decifram os códigos da inteligência. Ao explicar de forma simples e acessível o processo de construção dos pensamentos e de formação dos grandes pensadores, este livro vai oxigenar a mente de pais, professores, alunos, cônjuges e amigos, transformando a existência em uma fantástica aventura.
Compre: compare preços
Avaliação:

Seria um absurdo um motorista tirar as mãos do volante e deixar o carro seguir a seu bel-prazer. Colisões aconteceriam, ferimentos imprevisíveis seriam gerados. Mas esse absurdo ocorre com nossa psique. As pessoas deixam suas emoções soltas, sem direcionamento, sem um mínimo de gerenciamento.
Elas se deixam manipular pelo humor triste, fóbico, depressivo, pessimista como se fossem marionetes, como se não tivessem nenhum poder gerencial.

Quando estávamos na escola, aprendemos matemática, português, física, história, química, etc., mas jamais tivemos, na grade de horários, uma disciplina que nos ensinasse a lidar com a frustração. Somos habituados a tomar banho todos os dias, para fazermos a higiene do nosso corpo, mas não criamos o hábito de higienizar nossa mente, de forma a limpá-la dos pensamentos tóxicos que nos povoam durante o dia. Vemos pessoas de grande sucesso profissional que, supomos, têm tudo na vida, mas, um belo dia, ficamos sabendo que se suicidaram pois sofriam de depressão.
Todas as situações acima descritas mostram a falta de cuidado e de atenção que temos com nossa saúde mental e nosso psiquismo.

Pelo que eu pesquisei, este livro é relativamente antigo, e apenas foi reeditado recentemente. No entanto, as ideias contidas nele foram bastante novas para mim. Talvez não tão novas em termos de conteúdo, mas, na verdade, de abordagem. Os livros de autoajuda sempre nos orientam a ter bom humor, pensar positivo, evitar o estresse e não sucumbir à ansiedade, mas eu nunca havia lido antes algo que comparasse todas essas orientações com coisas “comuns” que tentam nos ensinar no dia a dia, como dicas de alimentação, de exercícios físicos e aulas de colégio.
O código da inteligência afirma que nosso cuidado com a saúde não deveria se restringir apenas ao corpo. Da mesma forma que devemos evitar consumir alimentos prejudiciais, o autor nos orienta a não consumir pensamentos prejudiciais. Além disso, ele também nos mostra que o conhecimento e a inteligência não deveriam ser apenas sobre quem foi Átila ou qual a fórmula de Bháskara, e, sim, sobre quais são os seus medos, por que eles te paralisam e o que você pode (e deve) fazer com relação a isso.
Uma comparação que o autor faz, da qual eu gostei muito, é quando ele afirma que o ser humano procura estudar e desvendar desde o universo mais longínquo até a partícula atômica mais infinitesimal, mas não procura entender o universo mais importante de todos, que é a sua própria mente e seus próprios pensamentos.

Achei bastante interessante ter visto a saúde mental abordada desta forma. Infelizmente este livro não veio até mim alguns anos antes, pois eu poderia ter evitado alguns percalços de forma tão simples quanto tomar banho ou fazer uma caminhada ou evitar comer muito açúcar.
Um único ponto que me desagradou um pouco foi a estrutura do texto em si. O livro é recheado de citações do autor, mas tiradas de seus outros livros. A impressão que passa é que ele está querendo fazer propaganda, já que, muitas vezes, as citações quase não têm a ver com o texto da página na qual elas estão inseridas. Alguns excessos de metáforas também acabam por fazer com que o livro não prenda muito a atenção do leitor. Os avoados (eu!) terão um pouco de dificuldade.
Entretanto, no geral, a leitura vale muito a pena, pela importância da visão que se dá a um assunto que deveria receber mais a nossa atenção. Motivos para isso não faltam, dado o caráter quase epidêmico das doenças psíquicas nos dias atuais.
O Código da Inteligência

Leia um trecho: aqui

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree