Categoria: ‘Biografia’

[resenha] O Último Trem de Hiroshima

2 de maio de 2012 - quarta-feira - 23:16h   ¤   Categoria(s): Biografia, Literatura estrangeira, Resenhas

O Último Trem de HiroshimaTítulo: O Último Trem de Hiroshima
Título original: Last Train From Hiroshima
Autor: Charles Pellegrino
País: EUA
Ano: 2010
Editora: Leya
Páginas: 406
Sinopse: Usando uma combinação de documentos oficiais de época, depoimentos de japoneses que sobreviveram à bomba e de aviadores americanos, Charles Pellegrino reconstrói os dois dias em que armas nucleares foram detonadas no Japão e mudaram a história do mundo. Charles traz à tona os dias trágicos em Hiroshima e Nagasaki como ocorreram – para explicar por que ocorreram.
Compre: compare preços

Para os primeiros cientistas japoneses que se aventuraram nos hipocentros ainda radioativos de Hiroshima e Nagasaki – tentando entender o que ocorrera –, as mortes mais espantosas foram as mais rápidas. Em uma ponte situada no centro de Hiroshima, um homem ainda podia ser visto puxando um cavalo, embora tivesse cessado completamente de existir. Seus passos, os passos do cavalo, e os últimos passos das pessoas que estavam atravessando a ponte com ele em direção ao centro da cidade foram preservados na superfície da estrada, que ficou instantaneamente alvejada, como por obra de um novo método acidental de fotografia com flash.

Avaliação:
O livro tem como proposta contar o horror testemunhado pelos sobreviventes das bombas que atingiram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945, e em especial, por alguns chamados “duplos sobreviventes”, que estiveram em Hiroshima e depois rumaram de trem para Nagasaki, e, desafiando as leis matemáticas da probabilidade, escaparam com vida das 2 bombas.
O que mais impressiona em “O Último Trem de Hiroshima” é a riqueza dos detalhes tão tristes, tão chocantes e por vezes tão revoltantes. O autor não nos poupa de descrições que chegam a ser macabras, como o caso do homem que teve seus pés arrancados pela agressividade da bomba e estava andando desesperado sobre suas tíbias, fazendo assim um som parecido com o de um sapateado. É mais ou menos com esta ausência de pudor que as destruições, as mortes, os ferimentos e as doenças causadas pelas bombas são trazidos até nós por Charles Pellegrino.
O livro também explica de forma bastante didática, mas um pouco cansativa, cada momento dos eventos da explosão, como o clarão, as cores das luzes vistas pelas vítimas, o estrondo, a emissão de radiação, a chuva negra, os redemoinhos e espirais de fogo. Além disso, é narrada também a parte referente à equipe composta por pilotos, engenheiros e cientistas que estiveram a bordo dos aviões que lançaram as 2 bombas.
Entretanto, o livro não deixa de tentar nos passar uma mensagem de amor e paz, vinda diretamente das palavras dos sobreviventes, pessoas que sofreram no corpo e na alma o literal inferno que o ser humano é capaz de criar, mas ainda assim (ou talvez exatamente por esta razão) encontraram bondade, esperança e perdão nos seus corações.
Será que é preciso cada um de nós chegarmos a este nível de sofrimento para conseguirmos entender a importância de se doar amor?

Com relação ao livro em si, achei muito interessantes as ilustrações contidas nele, com alguns mapas e desenhos. Na imagem abaixo, Hiroshima antes e depois da queda da bomba.
Um ponto que me incomodou um pouco foi a presença de diversos pequenos erros de desatenção, como nomes errados (p.ex. o sobrenome Ito escrito correto e também errado como “Ita” na mesma página) e até a troca das cidades, estando escrito Nagasaki quando na verdade estava-se falando de Hiroshima.

De qualquer forma, é um belo livro que me ensinou muito e me mostrou que não sabemos quase nada sobre esse triste capítulo da nossa História.
O Último Trem de HiroshimaOutras capas:
Como a maioria das capas era parecida com a brasileira, optei por mostrar somente as 2 diferentes (nem tanto) que encontrei.
O Último Trem de Hiroshima O Último Trem de Hiroshima

Este livro deveria ter sido lido como meta do mês de Abril do Desafio Realmente Desafiante. Por motivos pessoais, não consegui cumpri-la a tempo.

[resenha] O Segredo do Chanel Nº5

6 de outubro de 2011 - quinta-feira - 17:06h   ¤   Categoria(s): Biografia, Literatura estrangeira, Moda / Beleza, Resenhas

O Segredo do Chanel Nº5Título: O Segredo do Chanel Nº5 – A história íntima do perfume mais famoso do mundo
Título original: The Secret Of Chanel Nº5 – The intimate history of the world’s most famous perfume
Autor: Tilar J. Mazzeo
País: EUA
Ano: 2010
Editora: Rocco
Tradutor: Talita Rodrigues
Páginas: 303
Sinopse: A trajetória da fragrância é contada em ‘O segredo do Chanel nº 5 – A história íntima do perfume mais famoso do mundo’. Graças a um trabalho de pesquisa, a autora busca separar o que é lenda e o que é verdade na criação do perfume. O livro traz informações tais quais a infância de Coco, a criação de seu aroma baseado em um perfume da Rússia Imperial e as estratégias de lançamento e venda do Chanel nº 5.
Compre: compare preços

[...] no alvorecer do século XX [...] Todos sabiam que “fragrâncias com forte base animal… ou jasmim”, especialmente, “eram marcadas como pertencendo ao mundo marginal de prostitutas e cortesãs”. Mulheres “de bom gosto e reputação” usavam “apenas [as] simples essências florais” que capturavam o aroma de uma única flor de jardim.

Avaliação:
Este livro trata da biografia de um perfume de 90 anos. Com tanto tempo de existência, o Chanel Nº5 não carrega dentro do seu frasco apenas algumas substâncias químicas que, combinadas perfeitamente, perfumaram e ainda perfumarão milhares de mulheres. Este perfume traz, junto com a sua idade, muita história para contar.

Lançado em 1921, Chanel Nº5 foi idealizado pela estilista Coco Chanel, sob fortes influências tanto dos gostos adquiridos na sua infância quanto dos conceitos sociais da época de sua juventude. Quando se dizia que moças casadoiras deviam cheirar a rosas enquanto que atrizes e amantes cheiravam a jasmim, Coco Chanel queria que uma mulher cheirasse como uma mulher e desejava derrubar esta divisão. Combinando isto com a austeridade e com a limpeza imaculada do mosteiro onde foi criada e estudou, surgiu então o Chanel Nº5.

Mas a história contida no perfume não é só a biografia do início da vida de Coco Chanel. Toda a trajetória ao longo das décadas, que fez o Chanel Nº5 ser o que ele é hoje, foi também consequência de decisões empresariais, dos acontecimentos históricos do século XX e também do relacionamento do perfume com a sua própria criadora.

O que me surpreendeu e agradou muito neste livro foi a quantidade de conhecimento que adquiri. Aprendi bastante História, relembrei Química e tive uma introdução à arte da Perfumaria.
É também um ótimo livro pra quem gosta de Moda ou do mundo do glamour e do luxo.
O Segredo do Chanel Nº5

Filme:
Existem vários filmes sobre Coco Chanel, mas um recente, de 2009, chama-se Coco Antes de Chanel (Coco Avant Chanel), estrelado pela Audrey Tautou. Não assisti ainda, mas parece interessante. Depois que o vir, eu volto aqui para editar e colocar minha opinião.

Veja também:

[resenha] Com Uma Perna Só

11 de agosto de 2011 - quinta-feira - 21:10h   ¤   Categoria(s): Biografia, Literatura estrangeira, Medicina, Resenhas

Com Uma Perna SóTítulo: Com Uma Perna Só
Título original: A Leg To Stand On
Autor: Oliver Sacks
País: Inglaterra
Ano: 1984
Editora: Companhia das Letras
Tradutor: Laura Teixeira Motta
Páginas: 206
Sinopse: Durante uma escalada solitária na Noruega, em 1974, o jovem neurologista Oliver Sacks depara-se com um enorme touro branco. Em pânico, dá meia volta, dispara pelo caminho inverso e um tombo faz com que sua perna esquerda fique seriamente avariada. Depois de uma cirurgia, a sensação é de que a perna se tornara “inexistente”. O médico se transforma em paciente e é obrigado a aprender lições de passividade num leito de hospital. Sem poder andar, apartado da vida normal e isolado pela insensibilidade de colegas médicos, Sacks inicia um processo de autodiagnóstico. Decide então elaborar um relato provocativo sobre os padrões de atendimento do sistema de saúde, mas também um testemunho vivo e fluente sobre os mecanismos neuro-sensoriais responsáveis pela formação da “imagem corporal”.
Compre: compare preços

Sim, aquela era a minha situação. Minha situação, exatamente. A perna havia desaparecido, levando com ela o seu “lugar”. Por isso não parecia existir a possibilidade de recuperá-la – e isso independentemente da patologia em questão. A memória poderia ajudar quando a expectativa não podia? Não! A perna desaparecera, levando com ela o seu “passado”! Eu já não conseguia me lembrar de ter tido uma perna.

Avaliação:
Desta vez, sob o ponto de vista do paciente, dr. Sacks conta de forma bastante subjetiva a sua empreitada, desde a escalada na montanha da Noruega, passando pelo acidente, a cirurgia e a descoberta de que a perna que estava lá colada ao seu corpo “não era sua”, até a plena recuperação.

Com frequência, o autor aborda a questão da frieza e impessoalidade por parte dos médicos e enfermeiros que cuidaram do seu caso, ficando especialmente chocado devido ao fato de estar “do outro lado” da situação. Entretanto, em boa parte do livro, Sacks conta as suas impressões, pensamentos e descobertas utilizando-se diversas vezes da poesia e da filosofia para tentar se expressar de forma mais fiel ao que está sentindo.

Um único porém, na minha opinião, é que talvez toda essa poesia e filosofia possam ser excessivas e enfadonhas, uma vez que eu me perdia no meio das divagações do fascinado e intrigado doutor-paciente sobre seu próprio problema.
Com Uma Perna Só

Veja também: