Categoria: ‘Infantojuvenil’

[resenha] Academia Jedi: O Retorno de Padawan

21 de setembro de 2016 - quarta-feira - 10:24h   ¤   Categoria(s): Ficção Científica, Infantojuvenil, Literatura estrangeira, Resenhas

Academia Jedi: O Retorno de PadawanTítulo: Academia Jedi: O Retorno de Padawan
Título original: Jedi Academy: The Return of the Padawan
Autor: Jeffrey Brown
País: EUA
Edição original: 2014
Editora: Aleph
Páginas: 175
Compre: compare preços
Avaliação:

O início do primeiro ano de Roan Novachez na Academia Jedi foi bem difícil, mas terminou superbem. Depois das férias, Roan está retornando para o seu segundo ano, no qual há muitas novidades, entre elas, o treinamento de piloto estelar e novo chef da cantina, Gammy. O começo do ano é tranquilo, mas, de repente, Roan começa a se ver em circunstâncias um tanto quanto complicadas. O treinamento de piloto é mais difícil do que o esperado, seus amigos começam a ignorá-lo, e Roan acaba se enturmando com os valentões da escola, que tentam levá-lo para o lado sombrio da Força.

Mais uma vez este livrinho fofo traz diversas situações parecidas com as que qualquer aluno do planeta Terra poderia vivenciar. O formato continua o mesmo, alternando trechos do diário de Roan com quadrinhos mostrando seu cotidiano, tabela de horários de aulas, imagens do jornalzinho da escola, boletim de notas, etc.

Ao prestar atenção, é possível notar, pelos traços das ilustrações, que Roan cresceu, está mais alto e com feições ligeiramente menos infantis. Também é possível perceber uma ligeira diferença de “clima” entre o primeiro e o segundo livro, em razão dos acontecimentos no dia a dia do nosso pequeno Jedi favorito. Esses acontecimentos, apesar de (ou talvez justamente por ser) um pouco mais complicados, proporcionam ótimos ensinamentos aos nossos leitores terráqueos.

Mês que vem, outubro, tem o Dia das Crianças. É a ocasião perfeita para você presentear seu padawan, ou algum que você conheça, caso não tenha o seu próprio, rs. Por gostar de Star Wars, eu sempre prestei um pouco mais de atenção à filosofia Jedi e reparei que ela não só é bastante útil na vida dos adultos, mas também na das crianças.
Academia Jedi: O Retorno de Padawan

Veja também:

[resenha] Academia Jedi

13 de janeiro de 2016 - quarta-feira - 18:31h   ¤   Categoria(s): Ficção Científica, Infantojuvenil, Literatura estrangeira, Resenhas

Academia JediTítulo: Academia Jedi
Título original: Jedi Academy
Autor: Jeffrey Brown
País: EUA
Edição original: 2013
Editora: Aleph
Páginas: 174
Compre: compare preços
Avaliação:

Pense em um livro fofo. Coloque um pouco mais de fofura. Depois, uma dose de nerdice. Por fim, complemente com ensinamentos muito sábios. O resultado é Academia Jedi, um livro infantil que vai encantar todo tipo de crianças, até as “crianças grandes”, rs.

Academia Jedi conta a história de Roan Novachez, um garoto nascido em Tatooine e que acabou de terminar a escola primária. Seu sonho era ir para a Academia de Pilotos, como seu irmão mais velho. No entanto, ao tentar ingressar nessa Academia, ele é rejeitado. Mas, logo em seguida, Roan recebe uma outra carta, escrita por um tal de Mestre Yoda, convidando-o para ir estudar na Academia Jedi. Apesar de estar bastante receoso, ele acaba aceitando.

Todo feito à mão (inclusive a tipologia), o livro alterna quadrinhos mostrando o dia a dia de Roan e seus colegas, trechos de seu diário, seus boletins de notas, os jornais da Academia e cartazes de festas e torneios. Em muitos aspectos, as situações que Roan vive são bastante parecidas com as de qualquer escola.

Academia Jedi é bem divertido e engraçadinho, até mesmo para os adultos, principalmente se você for fã de Star Wars. Há também muitos ensinamentos que são importantes para as crianças do planeta Terra, como casos de bullying, por exemplo, e outras dicas baseadas na filosofia Jedi.

Se você é pai/mãe de um pequeno padawan, este livro pode vir a ser um jeito bem eficaz de incentivar seu baixinho a gostar de Star Wars. Há relatos de crianças que dormiam agarradas com ele! =) Mas se você não tem nenhum padawan a quem presentear, não tem problema! Compre para você mesmo, não importa sua idade! Você vai se derreter de amor e ao mesmo tempo gargalhar durante a leitura.
Academia Jedi Star Wars - Academia Jedi Star Wars - Academia Jedi
Curiosidade: Academia Jedi se passa 196 anos antes dos eventos do Episódio IV – Uma Nova Esperança.

Veja também:
CCXP 2015

[resenha] Paris – Tudo o que você sempre quis saber

3 de setembro de 2013 - terça-feira - 20:23h   ¤   Categoria(s): Almanaques, Infantojuvenil, Literatura estrangeira, Resenhas

Paris – Tudo o que você sempre quis saberTítulo: Paris – Tudo o que você sempre quis saber
Título original: Paris: everything you ever wanted to know
Autor: Klay Lamprell
País: Australia
Ano: 2011
Editora: Globo
Páginas: 96
Sinopse: Voltada para o público infanto-juvenil, a série ‘Proibido para adultos’ procura ser introdução para os pequenos leitores conhecerem algumas das cidades consideradas mais belas do mundo, naquilo que elas têm considerado por mais peculiar. O livro investiga um destino, com foco em revelar ‘coisas que valem a pena saber’ sobre a história, os costumes e os segredos locais – do ponto de vista da criança. Contém fotografias e tópicos que enfocam eventos históricos, monumentos, destaques arquitetônicos, comida, moda e estilo de vida de seus habitantes.

Arco do Triunfo
O imperador Napoleão encomendou um arco para comemorar suas vitórias nos campos de batalha. Mas o problema é que o monumento era tão grande que levou 30 anos para ficar pronto. A essa altura, Napoleão já havia perdido o poder de novo. Ainda bem que o rei Luís Felipe não guardou rancor e permitiu o término da obra.

Avaliação:
Pensem em um livro infantil lindo, cheio de ilustrações e fotos, com uma diagramação incrível, sobre a cidade da qual você é mais paga-pau. Paris – Tudo o que você sempre quis saber é este livro. Ele explica de forma simples e em linguagem mais leve sobre pontos turísticos, História, cultura e costumes da cidade.
Com cada assunto ou tópico abordado em 2 páginas, o livro fala, por exemplo, da Catedral de Notre Dame, do rio Sena, dos cães de Paris, de Asterix, de Napoleão, da importância da moda, da catacumba de ossos, do metrô, entre outros.
Logo na capa, há um aviso dizendo que é proibido para adultos, e nas primeiras páginas, também diz que não é um guia de viagem. Entretanto, apesar de ser um livro infantil, eu fiquei fascinada por ele, namorando durante muito tempo antes de ter a oportunidade de comprar. Durante a leitura, morria de amores pelos textos divertidos e pelas imagens de encher os olhos. E mesmo não sendo um guia de viagem, é bastante útil para você não ficar boiando sem entender nada da importância dos monumentos quando for viajar para Paris. Eu, particularmente, o trataria como livrinho de consulta cultural rápida, além de deixar na cabeceira para reler infinitamente.
E, ao invés de um texto longo nessa resenha, o melhor mesmo é postar algumas fotos dessas páginas lindas.
Paris – Tudo o que você sempre quis saber Paris – Tudo o que você sempre quis saber Paris – Tudo o que você sempre quis saber Paris – Tudo o que você sempre quis saber Paris – Tudo o que você sempre quis saber

[resenha] Esperando Por Você

22 de abril de 2013 - segunda-feira - 21:30h   ¤   Categoria(s): Infantojuvenil, Literatura estrangeira, Resenhas, Romance

Esperando Por VocêTítulo: Esperando Por Você
Título original: Waiting For You
Autor: Susane Colasanti
País: EUA
Ano: 2009
Editora: Novo Conceito
Páginas: 336
Sinopse: É hora de iniciar o segundo ano do Ensino Médio, e Marisa está pronta para um novo começo e para seu primeiro namorado de verdade. No entanto, depois do popular Derek convidá-la para sair, as coisas ficam complicadas. Além de seus pais se separarem e de Marisa ter uma briga com seu melhor amigo, Derek – o amor da sua vida – a deixa desapontada. As únicas coisas que mantêm Marisa são os podcasts de um DJ anônimo, o qual parece entendê-la totalmente. Mas ela não sabe quem ele é… Ou sabe?
Compre: compare preços

De início, eu as observo no mar, converso com algumas meninas que conheço da orquestra e me convenço de que não devo ficar olhando mais para Derek. Mas a decisão não funciona: continuo dando umas espiadas nele.
É quando uma coisa incrível acontece. Algo que tem o poder verdadeiro de transformar uma vida.
Derek olha para mim e sorri.
Ele está sorrindo diretamente para mim!

Avaliação:
E então, a “garota” de 32 pôde voltar a sentir, por alguns dias, a emoção de ser adolescente de novo.
Se considerarmos que a adolescência aconteça nas nossas vidas entre os 12 e os 17 anos de idade, a minha se passou durante os Anos 90. Entretanto, é engraçado como certas coisas não mudam. As dúvidas, os medos, os sonhos são basicamente os mesmos.

Depois de ter lido um livro um tanto quanto denso e demorado, eu estava precisando de algo leve, com um tema mais tranquilo. Fiquei com um pouco de receio de a história ser bobinha demais, mas fui em frente mesmo assim.
Nas primeiras páginas, eu já pude sentir que seria uma leitura bem agradável, para desanuviar a cabeça.
Marisa está indo pro 2º anos do Ensino Médio e, depois de ter se recuperado de uma depressão que a assolou no ano anterior, ela quer que sua vida seja diferente daqui pra frente. Está mais do que na hora de ter seu primeiro namorado, e é perfeitamente natural que ela esteja apaixonada por Derek, o garoto mais charmoso e popular do colégio. Entretanto, Marisa também está cercada de boas amizades. Após alguns anos de distanciamento, a garota volta a se aproximar de Nash. Eles eram muito amigos quando crianças, mas sabe como são as coisas conforme a gente vai crescendo… Nash é tímido, meio nerd, é até meigo e atencioso, mas definitivamente não se encaixa no quesito “potencial namorado”.

Eu achei o livro bem fofinho, e conta uma história com a qual qualquer pessoa poderia se identificar. Não há grandes acontecimentos, nem personagens ultradramáticos, mas emociona na sua simplicidade. Talvez alguns aspectos sejam vistos como puros clichês, como o fato de o garoto popular agir como um idiota ou a garota desconfiar se seu melhor amigo é apaixonado por ela ou não. Só que… se for parar pra pensar, a nossa vida, tão comum, muitas vezes não é feita realmente de um clichê atrás do outro?

Eu, sinceramente, recomendaria muito este livro para as mulheres com mais de 27 anos de idade. Pode ser que algumas não gostem, mas acho que vale a pena para lembrarem-se de uma época em que as coisas complicadas da nossa vida não eram o vencimento das contas ou o colega de trabalho traiçoeiro.
Esperando Por Você

[resenha] Garota Tempestade

9 de março de 2013 - sábado - 10:33h   ¤   Categoria(s): Aventura / Fantasia, Infantojuvenil, Literatura estrangeira, Resenhas, Terror / Sobrenatural

Garota TempestadeTítulo: Garota Tempestade
Título original: Tempest Rising
Autor: Nicole Peeler
País: EUA
Ano: 2009
Editora: Valentina
Páginas: 279
Sinopse: Mesmo tendo passado a vida inteira na pequena e conservadora cidade de Rockabill, Jane True, 26 anos, sempre soube que não se encaixava numa sociedade pretensamente normal. Durante um de seus clandestinos nados noturnos no mar congelante, desafiando um perigosíssimo redemoinho, uma descoberta terrível leva Jane a revelações surpreendentes sobre sua herança genética – ela é apenas meio-humana. Agora, Jane precisa penetrar um mundo de mitos e lendas, povoado por criaturas sobrenaturais, aterrorizantes, belas e até mortais. Características que também descrevem perfeitamente Ryu, seu novo ‘amigo’ – um vampiro poderoso, deslumbrante e sexy. Nesse mundo, onde há um goblin advogado, um espírito de árvore maquiador, um súcubo dona de boutique, elfos diabólicos, homens inflamáveis, seres híbridos que se transformam em animais selvagens, nada é presumível. Que dirá um romance ao molho pardo. Mas atenção, nunca, nunca mesmo, esfregue a lâmpada do gênio. Entretanto, alguém está matando meio-humanos como Jane. A pergunta que não quer calar é: os assassinatos são fruto de uma mente doentia ou há um plano macabro para exterminá-los?
Compre: compare preços

E se nadar em condições normais era uma atividade terapêutica, nadar durante uma tempestade era muito melhor do que Prozac. Talvez porque minha mãe houvesse aparecido e desaparecido durante tempestades eu fosse tão obcecada por elas. Mas a verdade era que eu me sentia muito mais feliz quando o mar estava agitado, impetuoso e bravio, e eu ficava rolando em suas águas, tão impotente e assustada quanto uma das heroínas dos romances de Linda, quando confrontada com o aventureiro charlatão.

Avaliação:
É um pouco difícil resenhar um livro de um gênero ao qual você não está muito acostumada. Você não sente muita segurança em opinar sobre certos aspectos que te chamaram a atenção com medo de falar alguma bobagem. Por que eu estou dizendo isso? Porque eu gostei do livro Garota Tempestade, mas algumas coisas sobre as quais vou detalhar podem dar a impressão de que estou criticando quando, na verdade, não tenho absolutamente nenhuma intenção de desmotivá-los em relação à leitura.

O assunto central do livro é o autoconhecimento. A protagonista, Jane True, 26 anos, passou toda a sua vida tentando se encaixar em uma sociedade que não a aceitava. E ela não sabia direito por quê. Só sabia que tinha algo a ver com a sua mãe – que apareceu na cidade do nada e, quando Jane ainda era uma criança, desapareceu, também do nada – e com a morte do seu único amor. Quando Jane descobre que é meio-humana e que existem por aí milhares de seres fantásticos, daqueles que nós costumamos chamar de sobrenaturais, ela começa uma viagem de descoberta sobre si mesma.
Eu gostei bastante dessa parte referente a se conhecer, saber qual o seu papel no mundo. A autora consegue transmitir muito bem os sentimentos de deslocamento, dúvidas e solidão da protagonista (a narrativa é em primeira pessoa).

A parte que me causou um pouco de incômodo foi a quantidade e variedade de seres sobrenaturais presentes na história, dando uma sensação de aleatoriedade, ou de falta de exclusividade. Os nomes e definições sobre quem é o quê eram dadas, mas não havia um passado lendário construído, não havia algo sólido que contasse origens ou feitos de épocas longínquas. Eu até diria que eu deveria saber sobre tudo isso se eu fosse mais familiarizada com elfos, goblins, vampiros e súcubos, mas vi que alguns conceitos sobre estes seres também eram diferentes de outras poucas histórias que li ou vi.
Mas enfim… acredito que não seja nada que vá atrapalhar um leitor recorrente de fantasia sobrenatural. O problema deve ser comigo mesmo.

Além do conflito interno de Jane como ideia central e do pano de fundo que é o mundo dos personagens fantásticos, o enredo tem como condutor o mistério dos assassinatos de meio-humanos. Esta parte, entretanto, é apenas o “carro” que faz a história acontecer e ir para frente. Como não se trata de um livro de suspense, não há grandes quebra-cabeças para desvendar.

Em suma, a história é bem divertida e a protagonista é muito interessante e simpática. É impossível não gostar dela! E eu estou doida pra saber como vai ser a continuação dessa sua vida pós-descoberta-de-que-é-meio-humana.
Garota Tempestade